5g Mobile Phone

Por: Surinder Dhar – Diretor de Desenvolvimento de Negócios de Soluções Mobile

Conforme as expectativas a respeito do lançamento da rede 5G pelas operadoras de redes móveis (MNOs) do mundo todo aumenta, o setor começa a ensaiar novos casos de uso para IoT.

A tecnologia de celular 5G, introduzida com o Release 15, possibilitou uma série de serviços e é baseada na interface aérea New Radio (NR), em uma nova arquitetura de rede de rádio chamada Next-Generation Radio Access Network (NG-RAN), em uma nova arquitetura de rede central chamada Next-Generation Core (NGC) ou 5G Core (5GC), em uma arquitetura baseada em serviços (SBA), Network Slicing e Edge Computing. O Release 16 do 5G, que deve ser lançado em 2020, trará novas funcionalidades como NR-Unlicensed (NR-U), Integrated Access and Backhaul (IAB), Vehicle-to-Everything melhorada (eV2X), melhorias à URLLC e Internet das Coisas Industrial (IIoT) e Service Enabler Architecture Layer (SEAL) para a indústria.

O 5G permitirá:

  • O uso de redes privadas 5G.
  • O uso de um espectro licenciado, compartilhado e não licenciado.
  • A implementação de rede sensível ao tempo (TSN).
  • Comunicação ultraconfiável de baixa latência (uRLLC).
  • Posicionamento preciso.

Tudo isso abrirá novas possibilidades para casos de uso da IoT.

Rede 5G privada: as empresas agora terão a opção de se conectar a uma rede 5G pública ou privada. Elas poderão criar a própria infraestrutura e terceirizar o suporte operacional para uma MNO ou manter sua própria rede 5G usando seu próprio espectro. O uso de uma ID de rede única possibilitará o uso de redes públicas sem problemas.

Espectro licenciado, compartilhado e não licenciado: a implementação de redes 5G privadas é possível com o compartilhamento e uso de um espectro licenciado e/ou não licenciado. No espectro licenciado, as MNOs têm diversas opções de implementação em uma área específica. Elas podem usar um espectro não licenciado com compartilhamento assíncrono usando NR-U  em modo autônomo (standalone) ou não autônomo de operação nas bandas de 5 GHz e 6 GHz. Também existe a possibilidade de usar um espectro regional dedicado como o uso de 3,7 GHz na Alemanha para IIoT. Nos EUA, a Comissão Federal de Comunicações definiu uma estrutura de três níveis de compartilhamento de espectro em 3,5 Ghz para o Serviço Rádio de Banda Larga do Cidadão (CBRS, na sigla em inglês). O uso eficiente do espectro de RF, que é um recurso finito, dá hoje às empresas a flexibilidade e a oportunidade de reduzir o custo de propriedade.

Rede sensível ao tempo (TSN): a TSN permite a implantação de redes fixas Ethernet e 5G ao mesmo tempo. É ela que permite que as redes 5G sejam usadas em casos que costumam usar hoje uma rede Ethernet com fio. O uso de redes determinísticas possibilitará menor latência de ponta a ponta, sincronização de tempo,  contratos entre transmissores e a rede e a coexistência com serviços “best effort”.

Comunicação ultraconfiável de baixa latência (uRLLC): com a uRLLC, o 5G pode conectar controladores, switches, sensores e atuadores a níveis de latência e confiabilidade equivalentes aos de uma rede com fio. Com o 5G, teremos latência de 1 ms na interface de rádio e latência de ponta a ponta de 5 ms a 10 ms com base na aplicação e caso de uso. A latência de uma rede 5G privada pode ser ainda menor do que nas redes públicas. Como o cerne da rede privada 5G é ser on-premise, tudo pode ser processado localmente, enquanto o processamento offsite exigiria um pequeno delay, talvez de alguns milissegundos no caso de uma abordagem de edge de telecom e dezenas de milissegundos no caso de um datacenter mais remoto, já que os dados precisariam ir e voltar. Essa latência extremamente baixa possibilitará novos casos de uso para processamento de automação e dispositivos controlados de forma remota.

Posicionamento preciso: as funcionalidades do 5G permitirão uma precisão de localização de 10 cm, ideal para atividades como navegação e posicionamento internos precisos. Alguns casos de uso interessantes são E-911, posicionamento 3D para monitoramento, gestão e controle de tráfego para reduzir tempos de deslocamento, óculos de realidade aumentada (RA) e Head-Up Display (HUDs) que podem usar o posicionamento preciso para trazer informações contextuais sobre a visão do mundo real do usuário para facilitar a navegação, gravação de vídeo e identificação de alvos. A precisão de posicionamento pode ser muito útil para aterrissagem automática ou missões profissionais e particulares de veículos aéreos não tripulados (drones). Já no chão de fábrica, será possível misturar equipamentos fixos e móveis para atingir a flexibilidade ideal.

O 5G está modificando o mundo à nossa volta com baixa latência, alta capacidade e conectividade confiável. Prepare-se!