2019-06-20T16:08:16+01:0020/06/2019|Tags: , , , , |

O que a parceria Equifax e FICO significa para o futuro das finanças

por Martin Kurpiel, Senior Vice President of Technology Solutions & IT

12 de junho de 2019

As gigantes do crédito Equifax e FICO uniram forças em uma jogada que colocou as duas empresas no mercado de dados alternativos.

As duas empresas anunciaram no fim de março que vão unir seus dados financeiros de consumidores para oferecer a ferramenta Data Decisions Cloud, um recurso de análise de dados que pode ajudar os bancos a tomar decisões de empréstimo mais inteligentes. De acordo com o anúncio das duas empresas, o produto permitirá que os usuários acessem os dados coletados de fontes não tradicionais, por exemplo para saber se um candidato tem cumprido ou não suas obrigações financeiras.

Não se sabe exatamente a quantidade de dados que as duas empresas têm combinados em seu produto de nuvem, mas é seguro dizer que o mercado e a demanda por fontes de dados alternativas não deve diminuir com o tempo. Parece que alguns concorrentes tradicionais do setor de crédito, como a TransUnion e a Experian, também  fizeram planos de entrar no mercado de dados alternativos. Mas como a disponibilidade de mais dados para os bancos afeta o consumidor e o que devemos esperar no futuro com essa tendência?

  • Há um grande potencial para inovação: se os bancos e outras instituições financeiras tiverem mais dados para tomar suas decisões a respeito de empréstimos, terão mais oportunidade de customizar ofertas. Pense nas ofertas de crédito que você recebe por e-mail. Essas ofertas poderão ser mais personalizadas (e até mais relevantes) se os bancos tiverem acesso a mais informações.
  • Preocupações com ética e privacidade: a privacidade é uma questão importante no momento. Depois que Mark Zuckerburg declarou uma era deprivacidade no Facebook e de uma lista quase infinita de vazamentos de dados chegando às manchetes, é de se esperar que a parceria Equifax/FICO seja vista com alguma desconfiança. Será interessante ver como as empresas respondem, embora o cálculo das pontuações de crédito seja relativamente conhecido, adicionar mais dados significa que as razões por trás das decisões podem ficar mais obscuras.
  • As decisões poderão ser mais rápidas: os consumidores já estão acostumados às decisões rápidas de empréstimos em alguns aspectos de sua vida. As decisões de cartões de créditos já são tomadas em segundos, e até mesmo compras de valor alto, como veículos, têm visto tempos de decisão cada vez mais curtos. No entanto, para transações de valor ainda maior, como financiamento de imóveis e empréstimos para empresas, ainda existe muito burocracia. Se os bancos tiverem acesso a mais informações sobre para quem então emprestando dinheiro, existe o potencial de acelerar o processo de decisão e levar o dinheiro ao consumidor de forma mais rápida, ou seja, todos ganham.
  • As pontuações podem não ser tão estáticas: qualquer pessoa que tenha tentado aumentar sua pontuação de crédito sabe que o processo pode ser demorado. Mas, com novas formas de determinar a confiabilidade e o histórico de crédito de um consumidor, tudo isso pode mudar. Mais dados podem permitir uma visão mais em tempo real dos gastos e do histórico financeiro de um consumidor, ou seja, seria mais fácil para o consumidor se recuperar depois de algum problema financeiro.

Ainda vamos ver o que os bancos e outras instituições de empréstimos farão com o acesso a fontes alternativas de dados, mas já está claro que a demanda por esses dados veio para ficar. Embora os consumidores possam estar ressabiados em informar ainda mais dados para as instituições bancárias, ao melhorar o serviço e a disponibilidade de crédito aos clientes, os bancos podem criar um novo ambiente de empréstimos em que todo mundo sai ganhando.

Leia o artigo também na PaymentsJournal. (Apenas em inglês)