Por: Surinder Dhar

Os ganhos impressionantes na produção global de alimentos durante a chamada Revolução Verde diminuíram com o tempo e hoje são irrelevantes para dar conta do crescimento da população. Até 2050, o mundo terá 9,6 bilhões de pessoas. Os desafios das condições climáticas extremas, das mudanças climáticas crescentes e do impacto ambiental das práticas agrícolas intensivas tornaram ainda mais difícil acompanhar o aumento da demanda na agricultura.

A tecnologia AgriTech/Smart Farming é uma das que vão liderar o caminho para o salto na produção de alimentos.  O AgriTech utiliza softwares especializados para melhorar a rentabilidade e a eficiência, enquanto o Smart Farming diz respeito à coleta e processamento de diversos dados através de uma série de sensores no campo e ao uso de ciências de dados e Inteligência Artificial (IA) para automatizar as atividades do campo. Esses dois termos costumam ser usados de forma intercambiável e contemplam o uso de soluções de IoT para melhorar um determinado aspecto do negócio.

O uso da IoT na agricultura começou com a incorporação de sensores em máquinas e equipamentos conectados. A John Deere, fabricante de equipamentos para agricultura nos EUA, começou a conectar tratores com um módulo de hardware MTG (Modular Telematics Gateway) para a conexão à Internet e desenvolveu o aplicativo JDLink para iOS e Android para análise de dados em 2013. A empresa criou um método para compartilhar os insights das análises de dados com os produtores, o que foi muito bom para a comunidade agricultora.

O conceito de tratores autônomos também está chegando rápido. Esses tratores podem ser controlados de forma remota, o que oferece economias significativas em custos laborais e libera os trabalhadores para outras tarefas em prol de aumentar a eficiência. A chave para implementar esse recurso é um planejamento eficiente.

Veja outras 4 áreas em que o Smart Farming pode ser utilizado:

Agricultura de precisão: sensores de precisão ajudam os fazendeiros a coletar dados relacionados a condições climáticas, umidade e nutrientes do solo, o uso de água para o crescimento ideal do cultivo, a determinar perfis de fertilizantes customizados de acordo com a química do solo e a determinar o tempo ideal de plantio e colheita. Esses dados ajudam os agricultores a tomar decisões melhores.

Gestão de gado: as soluções de gestão de gado são baseadas em sensores conectados com dispositivos vestíveis para o gado. Esses sensores conseguem monitorar os batimentos cardíacos, a pressão, a temperatura, a respiração e até a digestão e enviar tudo para uma central para mais análises.  Com esses sensores, os fazendeiros também podem monitorar os animais individualmente e até mesmo identificar os que estão doentes pelos padrões de pastoreio. Assim, os fazendeiros conseguem reagir de forma rápida a um animal infectado para impedir que ele contamine outros animais próximos.

Estufas inteligentes: uma estufa inteligente (Smart Greenhouse) é um ambiente autorregulado e com controle do microclima criado para a produção agrícola otimizada. As condições climáticas dentro da estufa, como temperatura, umidade, luminosidade e umidade do solo são monitoradas 24h por dia e geram ações automáticas com base nas mudanças nessas condições climáticas. Em termos de sensores e processamento de dados, é como a agricultura de precisão.

Drones para agricultura: os drones já provaram sua utilidade para os processos de gestão agrícola.  Eles tiram fotos e mapas aéreos das fazendas e dos fazendeiros para comunicar o estado e a saúde dos cultivos em tempo real.  Na agricultura, há usos tanto para drones de base no chão quanto para os de base aérea.  Eles são ideais para coletar dados como resolução e altura do solo. Os dados de campo coletados pelos drones podem ser utilizados para contagem de plantios, previsão de produção, índices de saúde, medição de altura, identificação da presença de produtos químicos em plantas e no solo, mapeamento de drenagem e muito mais. Os dados coletados desses drones podem ser usados para criar mapas 3D para previsões de plantio de sementes, plantações, uso de fertilizantes, irrigação e análise de saúde. Os drones são uma ótima fonte de dados e podem cuidar de todo o ciclo do cultivo.

De acordo com seu caso de uso, você pode utilizar uma o mais das tecnologias acima. Com a implementação correta, o SmartAGRO é uma solução com bom custo-benefício e ampliável, ideal para pequenos e grandes produtores.