As cidades nunca estiveram tão populosas. Para se ter uma dimensão, em 1950, década de origem da Valid, a população mundial era de cerca de 2,6 bilhões de pessoas. De acordo com a Organização das Nações Unidas, hoje somos 7,3 bilhões de habitantes. Mais da metade vivendo em áreas urbanas.

2017-12-13T10:50:15+00:0002/05/2017|Tags: , , , , |

Smart City: há vida (e administração) inteligente nas cidades por Márcio Bastos – Superintendente Comercial de Identificação.

As cidades nunca estiveram tão populosas. Para se ter uma dimensão, em 1950, década de origem da Valid, a população mundial era de cerca de 2,6 bilhões de pessoas. De acordo com a Organização das Nações Unidas, hoje somos 7,3 bilhões de habitantes. Mais da metade vivendo em áreas urbanas.

Esses números dão a ideia do desafio da gestão pública nos dias de hoje. Com tanta gente concentrada nas metrópoles, o trânsito, a poluição, o saneamento básico, a saúde, a moradia, entre outros, viraram grandes problemas. Não é preciso descrever aqui os impactos na vida dos cidadãos, somos testemunhas desse caos.

Como solução para um crescimento sustentável das cidades e, em especial, para a qualidade de vida dos cidadãos, surge o conceito de Smart City. Não se trata de promessa de campanha. Uma cidade inteligente usa a tecnologia para tornar seus processos-chaves mais eficientes, algo que já acontece no mundo empresarial.

Classificada como a primeira smart city do mundo, Songdo, na Coreia do Sul, é uma referência em planejamento urbano. Uma rede sem fio monitora os semáforos, fluxos do trânsito, descarte correto do lixo, transporte público entre outros serviços que permitem uma administração pública inteligente. Pela web, os gestores acompanham o ritmo da cidade e toma decisões. Mas Songdo começou do zero. A cidade está sendo desenvolvida desde 2004, em outras palavras, tudo foi pensado para ser um lugar moderno e estruturado.

Tóquio, Londres, Nova Iorque, Zurique e Paris são as Top 5 no ranking “Cities in Motion Index”, da IESE Business School, que mediu o grau de “inteligência” das cidades do mundo. Regiões que oferecem aos seus cidadãos espaços públicos mais atrativos, possibilitando vidas mais saudáveis e prósperas. As dimensões avaliadas foram economia, meio-ambiente, abertura internacional, coesão social, administração pública, planejamento urbano, tecnologia, mobilidade e transporte, capital humano e governança.

Pesquisadores chegaram a conclusão de que não existe um modelo único de sucesso. Mudanças na gestão pública tomam tempo e grandes projetos, como a automatização de processos, demoram geralmente por conta do seu alto impacto. Por isso, as cidades que desejam tornar-se mais sustentáveis e inteligentes, precisam adotar políticas públicas a longo prazo o quanto antes.

No Brasil, as prefeituras não estão sozinhas na implementação do projeto Smart City. O Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos (PMAT) é um programa do BNDES destinado a apoiar projetos de investimentos voltados à melhoria da eficiência, qualidade e transparência da gestão pública, visando a modernização da administração tributária e qualificação do gasto público nos municípios.

A Valid já acumula experiência na integração de tecnologias a favor de processos que respondam aos desafios das prefeituras, promovendo significativas melhoras na gestão dos serviços públicos e interação cidadão-governo, bem como nas áreas de mobilidade urbana, gestão da distribuição de energia e saneamento, saúde, educação, segurança e prevenção de desastres. A prestação de serviços públicos pode e deve ser reorganizado para melhor servir ao cidadão e aos gestores.

Saiba mais sobre como a Valid está ajudando nos projetos de Smart Cities pelo mundo. marcio.bastos@valid.com

Fontes